MODO DE REZAR E SALVAR A ALMA

carta nº 66
MODO DE REZAR E SALVAR A ALMA
Goa, entre Junho e Agosto de 1548?
Cópia em português, feita em 1614

HISTÓRIA – Xavier menciona pela primeira vez este documento na Instrução que deu ao P. Barzeu em Abril de 1549, na qual escreve: «Levareis de casa a Doutrina cristã e a Declaração sobre os artigos da fé e a Ordem e regimento que um homem há-de ter todos os dias para se encomendar a Deus e salvar sua alma. Esta Ordem e regimento dareis aos que confessardes, em penitência de seus pecados por certo tempo, e depois lhes ficará em costume; porque é muito bom regimento e acham-se muito bem com ele os penitentes. E assim o praticareis a muitas pessoas, ainda que convosco não se confessem, e pô-lo-eis numa tábua na igreja de Nossa Senhora da Misericórdia, para que daí o tomem os que se quiserem aproveitar» (Xavier-doc. 80,26). Os três documentos que Xavier aqui menciona são, pois: Doutrina cristã (Xavier-doc. 14), Declaração do Credo (Xavier-doc. 58) e Ordem e regimento (Xavier-doc. 66). Das palavras citadas, se deduz também que Xavier já tinha provado por experiência a utilidade e eficácia deste regulamento e que dele se teriam feito muitas cópias. É provável que o próprio autor tenha ido elaboran­do e completando o seu escrito, embora depois da sua morte outros lhe tenham feito modificações, como aparece pelas cópias escritas e impressas posteriormente. Conhecem-se pelo menos quatro formas distintas.

[Ordem e regimento que o bom cristão deve ter todos os dias, para se encomendar a Deus e salvar sua alma*] (*Xavier-doc. 80,26) - Ordem que se terá, ao levantar da cama

Benzer-se logo ao levantar
1. Primeiramente, acordando logo pela manhã, todo o fiel cris­tão fará três coisas, as quais aprazem a Deus, sobre todas as coisas: a primeira é confessar a Santíssima Trindade, três pessoas e um só Deus, a qual somente os cristãos bem e verdadeiramente confessam, quando se benzem, dizendo: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo*. (*Cf. Xavier-doc. 58,8.)

Recitar o Credo e fazer uma profis­são de fé
2. A segunda coisa é confessar a Jesus Cristo, Filho de Deus verda­deiro, dizendo o Credo, e crendo-o bem e verdadeiramente sem duvi­dar, no qual se encerra toda nossa fé católica, o qual é o seguinte: Creio em Deus Pai, todo-poderoso, criador dos céus e da terra; creio em Jesus Cristo, seu Filho, um só Nosso Senhor; creio que foi concebido do Espírito Santo e nasceu da Virgem Maria; creio que padeceu sob poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; creio que descendeu aos infernos e, ao terceiro dia, res­surgiu dos mortos ; que subiu aos céus, está assentado à mão direita de Deus Pai todo-poderoso; creio que dos céus há-de vir a julgar os vivos e os mortos; creio em o Espírito Santo; creio a santa Igreja Católica; creio o ajuntamento dos santos e a remissão dos pecados; creio a ressurreição da carne; creio a vida eterna. Amen, Jesus3.

Protestação da fé
3. Verdadeiro Deus, eu confesso, de vontade e coração, como bom e leal cristão, a Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito San­to, três pessoas e um só Deus. Eu creio firmemente, sem duvidar, tudo o que crê e tem a Santa Madre Igreja de Roma. Eu prometo, como fiel cristão, de viver e morrer em a santa fé católica de meu Senhor Jesus Cristo. E quando, à hora da minha morte, não puder falar, agora, para quando eu morrer, confesso a meu Senhor Jesus Cristo por Unigénito Filho de Deus, com todo meu coração4.

Recitar os dez Mandamentos, pedindo depois graça para os guardar a um por um
4. A terceira coisa é pedir graça ao Senhor Deus, para guardar os dez Mandamentos de sua santíssima lei, pois nenhuma pessoa se pode salvar, sem os guardar – os quais se hão-de dizer pela manhã e, para cada um deles, pedir a graça ao Senhor Deus para, naquele dia e todos os outros de sua vida, os cumprir e guardar como ele manda, pela maneira seguinte5:
5. Os Mandamentos da lei do Senhor Deus são dez, scilicet(a saber): O primeiro é amar a Deus sobre todas as coisas; o segundo, não jurarás o seu santo nome em vão; o terceiro, guardarás domingos e festas; o quarto, honrarás a teu pai e a tua mãe e viverás muitos anos; o quin­to, não matarás; o sexto, não fornicarás; o sétimo, não furtarás; o oitavo, não levantarás falso testemunho; o nono, não desejarás a mu­lher do teu próximo; e o décimo, não cobiçarás as coisas alheias7.
6. Diz Deus: os que guardarem estes dez Mandamentos irão ao paraíso. Diz Deus: os que não guardarem estes dez Mandamentos irão ao inferno8.
7. Oração: Rogo-vos, meu Senhor Jesus Cristo, que me deis gra­ça, hoje neste dia e em todo o tempo da minha vida, para guardar estes dez Mandamentos.
8. Oração: Rogo-vos, minha Senhora Santa Maria, que queirais por mim rogar ao vosso bento Filho, Jesus Cristo, que me dê graça, hoje neste dia e em todo o tempo de minha vida, para guardar estes dez Mandamentos.

Pedir também perdão, a um por um, pelos que não tem guardado, propondo emendar-se
9. Oração: Rogo-vos, meu Senhor Jesus Cristo, que me perdoeis os pecados, que eu fiz hoje neste dia e em todo o tempo de minha vida, em não guardar estes dez Mandamentos.
10. Oração: Rogo-vos, minha Senhora Santa Maria, Rainha dos Anjos, que me alcanceis perdão, do vosso bento Filho Jesus Cristo, dos pecados que eu fiz, hoje neste dia e em todo tempo de minha vida, em não guardar estes dez Mandamentos9.
11. Acabada esta oração, dirá o Pai-nosso e a Ave-maria. E o mesmo fará em cada um dos dez Mandamentos por si: para que melhor se lembre; e para propor e procurar de guardar os Man­damentos e se desacostumar de pecar nos Mandamentos que não guarda; e para que, pecando contra algum deles, conheça mais de­pressa o mal que faz e se arrependa mais cedo dos pecados que por costume comete.
         E naquele Mandamento em que mais compreendido(culpado) se achar, pecando por mau costume, pedirá, com grande dor e arrependimen­to de seus pecados, graça ao Senhor Deus para, naquele dia e em todos os de sua vida, o guardar. E trabalhará muito pela salvação de sua alma, guardando os dez Mandamentos, e porá todas as suas forças em se desacostumar de pecar neles, dizendo assim:

Vantagens para a eternidade
12. Eu creio, verdadeiramente, que se a morte me tomar nalgum pecado, contra algum destes dez Mandamentos, que minha alma será condenada às penas do inferno, sem nenhuma redenção. E também creio, verdadeiramente, que se a morte me tomar fora de pecado mortal e depois de me desacostumar de pecar contra os dez Mandamentos, contra os quais por mau costume peco, que o Se­nhor Deus haverá misericórdia da minha alma, por muito pecador que eu fosse, e me dará a salvação perpétua, que é a glória do paraíso, fazendo primeiro penitência de meus pecados, ou nesta vida ou no purgatório.

3 Xavier-doc. 14,2; BARROS, Compilação 16-17.
4 Xavier-doc. 14,3            /         5 Cf. Xavier-doc. 20,4.
7 Xavier-doc. 14,6; BARROS, Comp. 20.
8 Xavier-doc. 14,7.
9 Xavier-doc. 14,8-11; cf. 20,4; MI Exerc. 434-437.
 ORDEM QUE SE TERÁ, À NOITE, PARA PEDIR PERDÃO DOS PECADOS A DEUS NOSSO SENHOR

Antes de deitar, exame de consciência e acto de contrição
13. Guardará o fiel cristão, quando quiser dormir, tudo o que acima está dito, examinando sua consciência dos pecados que na­quele dia cometeu; propondo, com a graça do Senhor, emenda deles; tendo propósito de se confessar a seu tempo. E, porquanto o sono é imagem da morte e muitos, que se deitaram a dormir bem dispostos, amanhecem mortos, direi, com grande arrependimento de meus pecados, a Confissão geral e me encomendarei ao santo Anjo da guarda. Direi desta maneira:
14. Eu, pecador muito errado, me confesso ao Senhor Deus e à Santa Maria e a São Miguel, o anjo, e a São João Baptista, e a São Pedro e a São Paulo e a São Tomé12, e a todos os santos e santas da corte do céu; e a vós, Padre, digo minha culpa, que pequei grande­mente, por pensamento e por fala e por obra, do muito bem que pudera fazer e não no fiz, e do muito mal de que me pudera apartar e não me apartei. De tudo me arrependo. Digo a Deus minha culpa, Senhor, minha culpa, minha grande culpa. Peço e rogo, à minha Se­nhora Santa Maria e todos os santos e santas, que queiram por mim rogar ao meu Senhor Jesus Cristo que me queira perdoar os meus pecados presentes, passados, confessados, esquecidos e que, daqui por diante, me dê a sua graça, me guarde de pecar e me leve a gozar da glória do paraíso. Amen, Jesus*.(*Xavier-doc. 14,14. )

Dupla oração ao Anjo da guarda
15. Ó Anjo de Deus que és minha guarda, pela piedade superna(*celeste) a mim, a ti cometido15, salva, defende e governa. Amen, Jesus.
16. Rogo-te, Anjo bento, a cuja providência eu sou encomenda­do, que sempre sejas presente, em minha ajuda. Ante Deus Nosso Senhor, apresenta os meus rogos a suas mui piedosas orelhas, para que, por sua misericórdia e tuas preces, me dê perdão de meus pecados passados e verdadeiro conhecimento e contrição dos presen­tes, e aviso para evitar os pecados vindouros, e me dê graça para bem obrar e até ao fim perseverar. Afasta de mim, pela virtude de Deus todo-poderoso, toda a tentação de Satanás. E, o que não mereço por minhas obras, tu alcança por teus rogos por mim, ante Nosso Senhor, que em mim não haja lugar e mistura de alguma maldade. E se, algumas vezes, me vires errar o bom caminho e seguir os errores dos pecados, tu procura de me volver a meu Salvador, pelas carreiras da justiça. E quando me vires em alguma tribulação e angústia, faz que me venha adjutório de Deus, por teus doces socorros.
Rogo-te que nunca me desampares, mas sempre me cubras e visites e ajudes e defendas de toda a fadiga e guerra dos demónios, vigiando de dia e de noite, em todas as horas e momentos. Onde quer que andar, guarda-me e acompanha-me. Isso mesmo te peço, meu guardador, que quando desta vida partir, não deixes que me espantem os demónios, nem me deixes cair em desesperação, nem me desampares, até me levar à bem-aventurada vista de Deus Nos­so Senhor, onde eu, contigo e com a bem-aventurada Virgem Ma­ria, Mãe de Deus, e com todos os santos, para sempre folguemos em a glória do paraíso, que nos dará Jesus Cristo Nosso Senhor, o qual, com o Pai e com o Espírito Santo, vive e reina para sempre. Amen.
ORAÇÕES A DEUS PAI, A NOSSA SENHORA E A S. MIGUEL ARCANJO DE PREVENÇÃO PARA O JUÍZO FINAL  
Oração a Deus Nosso Senhor
17. Ó meu Deus poderoso e Pai piedoso da minha alma, Cria­dor de todas as coisas do mundo, em vós, meu Deus e Senhor, pois sois todo meu bem, creio firmemente, sem poder duvidar, que me hei-de salvar, pelos méritos infinitos da morte e Paixão de meu Senhor Jesus Cristo, ainda que os pecados de quando era pequeno sejam muito grandes, com todos os demais que tenho feitos. Vós, Senhor, me criastes e destes alma e corpo e quanto tenho. E vós, meu Deus, me fizestes à vossa semelhança, e não os falsos pagodes, que são deuses dos gentios, em figuras de bestas e alimárias do diabo. Eu arrenego de todos os pagodes e feiticeiros e adivinha­dores, pois são cativos e amigos do diabo. Ó gentios, que cegueira e pecado é o vosso tão grande, que fazeis a Deus besta e alimária, pois o adorais em suas figuras! Ó cristãos, dêmos graças e louvores a Deus trino e uno, que nos deu a conhecer a fé e lei verdadeira de seu Filho Jesus Cristo*.(*Xavier-doc. 14,26.)

12 S. Francisco Xavier meteu S. Tomé, expressamente, na confissão, por a tra­dição dizer que foi ele quem, primeiro, levou o cristianismo à Índia.
15 Entregue.

À Virgem Senhora Nossa
18. Ó Senhora Santa Maria, esperança dos cristãos, rainha dos anjos e de todos os santos e santas que estão com Deus Nosso Se­nhor no céu, a vós, Senhora, e a todos os santos, me encomendo agora para a hora da minha morte, que me guardeis do mundo e carne e diabo, que são meus inimigos, desejosos de levar a minha alma ao inferno*.(*Xavier-doc. 14,27.)

 A São Miguel
19. Ó Senhor São Miguel, defendei-me do diabo, à hora da minha morte, quando estiver dando conta a Deus de toda minha vida passada*. (*Xavier-doc. 14,28.)

Misericórdia de Jesus no dia de Juízo
20. Pesai, Senhor, os meus pecados com os méritos da morte e Paixão de meu Senhor Jesus Cristo e não com os meus poucos me­recimentos: assim serei livre do poder do inimigo e irei gozar, para sempre, da glória do paraíso. Amen, Jesus.
Que coisa é pecado venial e por quantas coisas se perdoa
Que coisa é pecado mortal e como se perdoa

Pecado ve­nial e pecado mortal e como se perdoam
21. Pecado venial não é outra coisa senão uma disposição de pecado mortal, e chama-se pecado venial porque levemente se há perdão dele. Perdoa-se por nove coisas: a primeira é por ouvir Missa; a segunda, por comungar; a terceira, por bênção episcopal; a quarta, por Confissão geral; a quinta, por água benta; a sexta, por pão-ben­to; a sétima, por bater no peito; a oitava, por dizer a oração do Pai  nosso, devotamente; a nona, por ouvir a pregação. Tudo isto com arrependimento24.
22. Pecado mortal é querer, ou dizer, ou fazer alguma coisa con­tra a lei de Deus ou deixar de fazer o que manda. E chama-se mortal, porque mata o corpo e alma eternamente daquele que, sem dele [sendo mortal] fazer pendença(*penitência), faleceu. Pelo pecado mortal, perde o homem a Deus, que o criou, e perde a glória que lhe prometeu, e perde o corpo e a alma que lhe remiu, e perde os merecimentos e benefícios da Santa Madre Igreja, e perde mais os bens que faz em pecado mortal, porque não prestam para sua salvação, posto que aproveitem para o acrescentamento da saúde e bens temporais e para diminuir nas penas e para vir em conhecimento do pecado em que está, para sair dele. Porque, se o pecador se arrepende do pecado, com propósito de não pecar, e se confessar ao tempo que manda a Igreja, este já está em verdadeira penitência e é capaz dos mereci­mentos e indulgências da Igreja, e os bens que fizer lhe aproveitam para tudo.
O pecado mortal se perdoa por quatro coisas: a primeira é por contrição; a segunda, por confissão de boca, com contrição, ao pró­prio sacerdote; a terceira, por satisfação de obra com contrição; a quarta, por propósito de não tornar mais a pecar, com contrição.

Oração à vera-cruz
23. Ó cruz bem-aventurada, que foste consagrada com o corpo de meu Senhor Jesus Cristo, e foste esmaltada de seu precioso san­gue, peço-te, Senhor Jesus Cristo misericordioso, por virtude da tua morte e Paixão, que naquela sacratíssima cruz padeceste, me queiras perdoar meus pecados, assim como perdoaste ao ladrão, estando tu, benigno Senhor, crucificado nela, e me dês vencimento contra meus contrários, e os meus inimigos queiras trazer a verdadeiro conheci­mento que se arrependam. Amen, Jesus.

COMO HÃO-DE ESTAR OS MENINOS E MENINAS AO OUVIR DA MISSA

Ensinar os meninos a estar à Missa e a rezar de manhã e à noite
24. Sejam os meninos e as meninas ensinados como hão-de estar calados, na igreja. À confissão, estejam de joelhos; e à gloria in excel­sis, estejam em pé; e logo à oração, em joelhos, tirando(*exceto) entre Páscoa e Natal; à epístola, estejam sentados; e ao evangelho, em pé, com grande reverência; e ao Credo, e dizendo Homo factus est, ponham os joelhos no chão. Ao prefácio, estejam em pé; e, depois do sanctus, em joelhos, até ao cabo da Missa e tomar a bênção do sacerdote.
25. Também lhes ensinem pela manhã, antes que outra coisa fa­çam, alguma devoção de algumas ave-marias e pater noster e Credo. Ao menos, três ave-marias em joelhos: a primeira, à fé com que Nos­sa Senhora concebeu o Filho de Deus; a segunda, à dor quando o viu expirar na cruz; a terceira, ao prazer da ressurreição. Outro tanto à noite, antes que se deitem. E também ao meio-dia rezem alguma coisa, em memória da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.
26. Oração à hóstia: Adoro-te, meu Senhor Jesus Cristo, e ben­digo a ti, que pela tua santa cruz remiste o mundo e a mim. Amen, Jesus.
27. Oração ao cálix: Adoro-te, sangue de meu Senhor Jesus Cris­to, o qual foi derramado na cruz, para salvar os pecadores e a mim. Amen, Jesus.

CONSELHOS PARA A SALVAÇÃO. RASCUNHO DE APONTAMENTOS DISPERSOS PARA COMPLETAR ESTE REGULAMENTO.

Lembranças do B. P. Francisco feitas aos que se desejam salvar
28. Lembre-se todo o pecador que há muito grande diferença de pecar mortalmente, por costume, e pecar acidentalmente e não por costume. Saiba certo que é necessário deixarem os homens os peca­dos de costume, na vida, e não aguardarem para os deixarem à hora da morte, porque, aguardando a tal tempo, os pecados deixam aos pecadores e não os pecadores aos pecados; e, nestes tais pecadores, a justiça de Deus se manifesta, quando morrem, ficando condenados para as penas do inferno. Mas em os que acidentalmente e não por costume pecam, trabalhando de guardar os mandamentos, usa Deus de sua misericórdia com eles, à hora de sua morte.
29. Todas as orações, esmolas e benfeitorias, e trabalhos ordena­dos, e enfermidades sofridas com paciência, e as obras de misericór­dia que cumprir, e todos os outros bens que fizer, serão ordenados a este fim, rogando ao Senhor Deus lhe dê graça: para se desacostumar de pecar contra os dez Mandamentos, nos quais por mau costume peca, pois para salvação da minha alma me é tão necessário desacos­tumar-me de pecar, porquanto os pecados de costume são os que levam os homens ao inferno.
30. Lembre-se todo o cristão da contínua memória da morte e da brevidade dela, e da conta tão estreita que a Deus há-de dar de toda sua vida passada, quando morrer; e a lembrança do dia do juízo universal, quando todos, em corpo e alma, ressurgirmos; e das penas perpétuas do inferno, que nunca têm fim; e a lembrança da glória do paraíso, para a qual fomos criados. Todas estas coisas cuidadas, cada dia, me ajudarão muito para me dispor a fazer agora o que à hora da minha morte queria ter feito, para ir à glória do paraíso.
Todo o fiel cristão, que este regimento guardar, ganhará nesta vida, com a graça do Senhor, a glória do paraíso.

ACRESCENTOS FEITOS TALVEZ POR XAVIER

1)      Cópia de um fragmento
3a. Ato de esperança
Cristo Jesus, Deus e Senhor meu, confiado em vossa divina mi­sericórdia espero, por vossos merecimentos, que movido e ajudado com vossa graça, cooperando com obras cristãs e guardando vossos mandamentos, hei-de alcançar a glória e bem-aventurança para a qual me criastes. Amen*. *Xavier-doc. 53,5.

3b. Acto de caridade
Amo-vos, meu Deus, sobre todas as coisas. De todo o coração me pesa de vos ter ofendido, por serdes quem sois, e pelo amor que vos devo, e porque sobre tudo vos estimo. Proponho firmemente de nunca mais fazer coisa com que ofenda a vossa divina bondade e me arrisque a perder a vossa santa graça. Amen.
6a. Meditação dos dez Mandamentos32 que se pode fazer cada dia pela manhã, depois de ter feito e rezado as devoções acima ditas, na qual se gastará algum tempo na forma seguinte:
Em primeiro lugar se lembrará do primeiro Mandamento e dirá: o primeiro Mandamento da lei de Deus é: honrarás a um só Deus. Depois de ter dito isto, considere consigo mesmo, e lembre-se breve­mente dos pecados que tem feito contra este Mandamento em toda a vida; peça deles perdão de todo o coração a Deus Nosso Senhor; faça propósito de se emendar deles; e, depois, reze as duas orações acima postas, com alguma diversidade em pôr cada Mandamento no cabo delas, nesta forma:
Rogo-vos, meu Senhor Jesus Cristo, que me deis graça, neste dia e em todo o tempo da minha vida, para guardar este primeiro vosso Mandamento. Amen.
Rogo-vos, minha Senhora Santa Maria, que me queirais rogar por mim ao vosso bendito Filho Jesus Cristo que me dê graça, neste dia e em todo o tempo da minha vida, para guardar este seu primeiro Mandamento. Amen. Acabadas estas orações, dirá um Pai-nosso e uma Ave-Maria.
  Tudo isto fará em cada um dos Mandamentos por si. Esta devo­ção serve ao cristão para que melhor se lembre de sua obrigação para com Deus Nosso Senhor e das faltas que nisto tem feito; e para pro­por e procurar de guardar os Mandamentos, e se desacostumar de pecar contra aqueles que não guarda; e para que, pecando contra al­gum deles, conheça mais depressa o mal que faz e se arrependa mais cedo dos pecados que por costume comete. Naquele Mandamento em que mais compreendido se achar, pecando por mau costume, pedirá, com grande dor e arrependimento de seus pecados, graça a Deus Nosso Senhor para naquele dia e em todos os de sua vida o guardar; e trabalhará muito pela salvação de sua alma guardando os dez Mandamentos e porá todas as suas forças em se desacostumar de pecar neles.

23a. Ordem que se terá à noite antes de se deitar
Porquanto o sono é imagem da morte, e muitos que se deitaram a dormir bem dispostos amanheceram mortos, examinarei a minha consciência, correndo brevemente os cinco pontos seguintes, que são estes:
1º Dar graças a Deus Nosso Senhor dos benefícios recebidos, em comum e em particular.
2º Pedir graça de conhecer os seus pecados daquele dia.
3º Examinar todos os seus pensamentos, desejos, palavras, obras e omissões, correndo as acções que tem feito, os lugares em que esteve, as pessoas com quem tratou; e advertir as faltas que em tudo isto tem feito.
4º Ter dor e arrependimento dos seus pecados, por ser ofensa da infinita bondade de Deus.
5º Fazer propósito muito firme de nunca mais cair neles.
2) Cópia doutro fragmento

13a. Primeiramente confessará a Santíssima Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo, três pessoas um só Deus – a qual confessará benzendo-se, dizendo: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
A 2ª é confessar a Jesus Cristo Filho de Deus verdadeiro, Nosso Redentor e Senhor, dizendo o Credo: crendo-o todo, firmemente, sem duvidar, pois nele se encerra toda a nossa santa fé. Dito ele, se fará a protestação que se segue: ‘Verdadeiro Deus, etc.’

A 3ª coisa será pedir ao Senhor Deus perdão de meus pecados, pela ordem que se segue: nomeando primeiro o primeiro Manda­mento, pedirei perdão dos pecados que contra ele fiz, assim hoje neste dia como todos os de minha vida, e direi a rogativa a Nosso Senhor e a nossa Senhora, segundo que arriba se disse, com um Pai-nosso e uma Ave-Maria. E assim procedendo por cada um. No Mandamento em que se achar mais culpado, ofendendo nele a Deus pelo mau costume que nele tem, com grande dor e pesar, arrepen­dimento, contrição verdadeira, pedirá perdão ao Senhor Deus dos pecados que naquele dia e todos os da sua vida fez em quebrantar aquele santo Mandamento. E isto, com propósito de se confessar dos pecados que aquele dia fez, prometendo ao Senhor de se desa­costumar de pecar naquele Mandamento e de se emendar. Este pedir perdão todas as noites, pelos Mandamentos, é como uma confissão que cada dia faz, a qual é necessária, segundo são muitos e contínuos os perigos e pecados em que estamos vivendo tão descuidados da morte.